Pelotas, RS, Sexta, 27.12.2002
busca nesta edição
 
Adicionar Diário Popular aos favoritos
Diário Popular como página inicial
Favoritos
Pag. inicial
Capa
Charge
Contracapa
Seções
Cidade
Cultura
Economia
Esporte
Estado
Exterior
Nacional
Polícia
Rural
Colunas
Afonso Ritter
Artigo
Curtas
Editorial
Espaço livre
Espeto Corrido
Horóscopo
Instantâneos
Ponto de Vista
Turfe
Cadernos
Zona sul

 


 

Instantâneos: Lei do silêncio



Entre os fatores alinhados pelos ambientalistas sobre a vida na cidade, destacam-se os que poderiam se inserir, ou de certa forma, em menor ou maior grau já se inserem, no que se costuma denominar de "lei do silêncio". Uma dessas irregularidades decorrem dos motores a explosão - caminhões, automóveis, motos etc. - que inundam as ruas e não têm hora para trafegar. Nada haveria a objetar, não fossem as distorções observadas a toda hora e por todo o lugar: o barulho ensurdecedor produzido em função de canos de descarga inadequados. À noite, então, o problema se agrava bastante.
Também o funcionamento de casas de diversões noturnas, de bares e assemelhados, desde que não atendidas as recomendações técnicas e regulamentares, prejudica o silêncio e as horas de sono das pessoas habituadas a dormir nas horas normais.
Por fim, para não nos alongarmos, salienta-se a situação reinante nos condomínios habitacionais. Certos condôminos, quando resolvem realizar suas festinhas, não têm a menor consideração com a vizinhança, promovendo barulho exagerado e prejudicial aos demais moradores. Também há os que, de igual forma indiferentes ao direito dos outros, ligam seus aparelhos de som em níveis altíssimos. Eles não querem nem saber que os vizinhos têm direitos e esses devem ser respeitados. Perturbar esses direitos representa infração à lei, punível de acordo com os nossos códigos.
E, por vezes, quando o vizinho, cansado de sofrer, resolve reclamar e pedir moderação, ainda reagem, atribuindo-se prerrogativas que a convenção de condomínio e a própria lei não lhes asseguram.
A autoridade não tem sido eficiente nesse setor. Pedem-se providências, mas dificilmente se é atendido. Agora, em plenas festas de fim de ano, convém que as pessoas ponham a mão na consciência e respeitem seus semelhantes, seja em obediência à lei, ou ao espírito de fraternidade que deve prevalecer neste tempo de reconciliação, de paz, de entendimento entre as pessoas.

Osório Lemos Prado


»Instantâneos

 
 
Melhor se visualizado com Internet Explorer 5.0 ou superior resolução mínima 800x600.
- www.diariopopular.com.br - Todos os direitos reservados a Gráfica Diário Popular Ltda.
Rua XV de Novembro, 718 - Telefone:(0xx53) 284-7000 - Pelotas/RS